O novo relatório do PNUMA

sábado, 11 de junho de 2016
"Os homens têm uma tendência universal para conceber todos os seres à sua imagem e para transferir para cada objeto aquelas qualidades com que estão familiarizados e de que estão intimamente conscientes."  -  David Hume  -  Obras sobre religião

O Programa nas Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) publicou seu mais recente relatório "Global Environmental Outlook (GEO-6)" (Perspectiva Ambiental Global), sobre a situação mundial do meio ambiente. Resumo dos principais pontos do estudo está disponível em inglês no site do PNUMA em (http://www.unep.org/newscentre/Default.aspx?DocumentID=27074&ArticleID=36180&l=en). As perspectivas, como sempre, não são nada otimistas. Ou seja, continuamos usando os recursos naturais no mesmo ritmo descontrolado de antes e as perspectivas de uma recuperação da natureza são cada vez mais difíceis.
O estudo destaca que o crescimento populacional associado à rápida urbanização e aos altos índices de consumo, está provocando a degradação e a desertificação dos solos de várias regiões. Com isso, o crescimento desordenado compromete os recursos hídricos e, consequentemente, a prática da agricultura, trazendo de volta o espectro da fome, que a revolução verde na agricultura havia afastado há décadas. Na Índia, no Paquistão e na China, já são comuns os fenômenos de rebaixamento do lençol freático, forçando os camponeses a bombearem sua água de profundidades cada vez maiores, às vezes não encontrando mais nada e forçando a família abandonar suas terras e emigrar para as periferias das cidades.   
O relatório também faz observações com relação a problemas ambientais específicos às diversas regiões do globo. Na América Latina, fato importante é o aumento da emissão de gases de efeito estufa, causa principal do aquecimento da atmosfera e das mudanças climáticas. Nesta região, segundo o relatório, este fenômeno é acelerado pela criação de gado. O gado bovino, em seu processo de digestão, rumina seu alimento liberando gás carbônico (CO²) para a atmosfera. O Brasil, país que possui um dos maiores rebanhos do mundo, começa lentamente a estudar o assunto, mas ainda está muito longe de uma solução simples e economicamente acessível. Este é um dos motivos pelo qual muitos grupos da sociedade civil incentivam a redução do consumo de carne - além das vantagens para a saúde.

O aquecimento global, de acordo com o relatório, também está causando a redução dos glaciares na cordilheira dos Andes. O aumento médio da temperatura faz com que a cada ano se forme uma quantidade menor de gelo nos altos picos da cadeia de montanhas. A redução da extensão das geleiras diminui o volume de água que a cada primavera, quando o gelo derrete, desce para os vales. Com isso, cai o volume de água disponível tanto do lado ocidental dos Andes, na seca região à beira do oceano Pacífico, quanto do lado oriental, nos vales dos rios que correm para o rio Amazonas. O processo é relativamente lento, mas pode diminuir o volume de água do rio Amazonas e assim comprometer parte da biodiversidade da grande floresta.
Apresentando o relatório, o diretor executivo do PNUMA, o brasileiro Achim Steiner, disse que "se as tendências atuais continuarem e se o mundo deixar de implantar soluções que melhorem os padrões atuais de produção e consumo, se falharmos ao utilizar os recursos naturais de uma maneira sustentável, então o estado do meio ambiente em todo o mundo continuará a declinar." O relatório do PNUMA é mais um alerta como muitos outros. A mudança a empreender é muito grande e demorada. Mas precisamos começar logo, antes que seja tarde.
(Imagens: fotografias de Ricardo E. Rose)

0 comentários:

Postar um comentário