Albert Camus

sábado, 16 de dezembro de 2017

(publicado originalmente na página da Academia Peruibense de Letras no Facebook)

Albert Camus foi romancista, jornalista, ensaísta e filósofo francês, nascido na Argélia em 1913 (então colônia francesa). De origem pobre, passou por privações durante a infância, sustentado por sua mãe, uma faxineira surda e analfabeta. Seu pai, convocado para a Primeira Grande Guerra (1914-1918), morreu em batalha quando Albert tinha um ano. Bom aluno na escola, Albert foi incentivado por um professor a se aprofundar nos estudos dos clássicos gregos e romanos, o que lhe deu uma base cultural para seu estudos posteriores. Além dos estudos, Albert era entusiasta do futebol, atuando como goleiro do time de sua faculdade; atividade que teve que abandonar aos 17 anos, quando teve sua primeira crise de tuberculose.

Para poder se manter durante seus estudos de filosofia, Camus teve vários trabalhos temporários; foi professor particular, vendedor e funcionário do instituto meteorológico da Argélia. Paralelamente, a partir de 1935, passa a atuar como jornalista de diversos jornais algerianos e funda uma companhia de teatro popular, que também encena peças escritas por ele. Casa-se, mas o casamento logo acaba, assim como sua filiação ao Partido Comunista Francês, do qual é expulso acusado de não ser comunista ortodoxo. Gradua-se em filosofia e artes em 1936.

Já na França, em 1940, casa-se outra vez e torna-se pai de dois filhos. Participa do movimento da Resistência, escrevendo artigos para jornais clandestinos. Já a partir desta época, Camus repudia toda a forma de autoritarismo político, criticando o comunismo. Essa a principal razão do desentendimento com Jean Paul Sartre e outros filósofos, que a partir do final da Segunda Grande Guerra passam a apoiar o comunismo soviético. No final dos anos 1940 Camus empreende uma viagem por vários países, passando inclusive por cidades do Brasil, para divulgar a filosofia francesa. Em São Paulo visita Iguape, junto com Oswald de Andrade, viagem sobre a qual escreve o texto que reproduzimos logo abaixo.

Sempre voltado ao pacifismo e à defesa dos direitos humanos, Camus demite-se de seu cargo na UNESCO (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura), quando a ONU aceitou a Espanha como membro - país então governado pelo ditador Francisco Franco. Em 1957, Camus foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura. Em 4 de janeiro de 1960, aos 46 anos, Albert Camus morre em um acidente automobilístico.

Um dos grandes temas abordados pelo escritor em suas obras é a ideia do absurdo. Este aparece em seu ensaio filosófico "O mito de Sísifo" e nos romances "O Estrangeiro" e "A Peste". O absurdo, segundo Camus, é o resultado de nossa busca por sentido e clareza, em um mundo que não as contêm. A obra do autor é formada por romances como "O estrangeiro" (1942); "A peste" (1947); "A queda" (1956); "A morte feliz" (publicado postumamente em 1971); e "O primeiro homem" (1995, póstumo) e ensaios filosóficos, como "O mito de Sísifo" (1942) e "O homem revoltado" (1951). Além disso, Camus também escreveu ensaios culturais e políticos e peças de teatro. Selecionamos os seguintes trechos de obras de Camus:

De "O mito de Sísifo (Editora Guanabara, 1989):

Já deu para compreender que Sísifo é o herói absurdo. Ele o é tanto por suas paixões como por seu tormento. O desprezo pelos deuses, o ódio à Morte e a paixão pela vida lhe valeram esse suplício indescritível em que todo o ser se ocupa em não completar nada. É o preço a pagar pelas paixões deste mundo. Nada nos foi dito sobre Sísifo nos infernos. Os mitos são feitos para que a imaginação os anime. Neste caso, vê-se apenas todo o esforço de um corpo estirado para levantar a pedra enorme, rolá-la e fazê-la subir a encosta, tarefa cem vezes recomeçada.

Do "Caderno de viagem" de Camus, citado por Manuel da Costa Pinto em artigo "O mediterrâneo é aqui", publicado em 7 Clássicos Franceses (Editora Duetto, 2010):

Uma vez mais, durante horas e horas, olho para esta natureza monótona e estes espaços imensos; não se pode dizer que sejam belos, mas colam-se à alma de uma forma insistente. País em que as estações se confundem umas com as outras; onde a vegetação inextrincável se torna disforme; onde os sangues misturam-se a tal ponto que a alma perdeu seus limites. Um marulhar pesado, a luz esverdeada das florestas, o verniz de poeira vermelha que cobre todas as coisas, o tempo que se derrete, a lentidão da vida rural, a excitação breve e insensata das grandes cidades - é o país da indiferença e da exaltação. Não adianta o arranha-céu, ele ainda não conseguiu vencer o espírito da floresta, a imensidão, a melancolia. São os sambas, os verdadeiros, que exprimem melhor o que quero dizer.

De "O homem revoltado" (Editora Record, 2011):

A insurreição humana, em suas formas elevadas e trágicas, não é nem pode ser senão um longo protesto contra a morte, uma acusação veemente a esta condição regida pela pena de morte generalizada. Em todos os casos que encontramos, o protesto dirige-se sempre a tudo aquilo que, na criação, é dissonância, opacidade, solução de continuidade. Trata-se, portanto, no essencial, de uma interminável exigência de unidade. A recusa da morte, o desejo de duração e de transparência são as molas de todas estas loucuras, sublimes e pueris. Trata-se somente da recusa covarde e pessoal de morrer? Não, porque muitos desses rebeldes pagaram o preço necessário para ficar à altura de suas exigências. O revoltado não exige a vida, mas as razões da vida. Ele rejeita as consequências que a morte traz. Se nada perdura, nada justifica, aquilo que morre fica privado de sentido. Lutar contra a morte equivale a reivindicar o sentido da vida, a lutar pela ordem e pela unidade.

(Imagem: fotografia de Albert Camus)

Newsletter dezembro 2017 e janeiro/fevereiro 2018

sábado, 9 de dezembro de 2017

(publicado originalmente no site www.ricardorose.com.br)


O ano de 2017 termina com algumas perspectivas de recuperação. A economia dá pequenos sinais de vida, a inflação está abaixo da meta e os juros caíram para 7% - índice ainda assim muito alto, comparado às economias estáveis. O desemprego caiu cerca de 1,0 % entre junho e novembro, por causa das contratações de final de ano e da flexibilização criada pela mudança na lei trabalhista. Mesmo assim, a expectativa era de que a alteração da CLT tivesse um impacto bem maior no número de novas contratações. O crescimento do PIB em 2017 deve ficar em torno de 0,7%; pouco acima das previsões, e ainda bastante baixo para provocar uma recuperação perceptível.

Na política o STF continua interferindo na investigação da Lava Jato, relaxando a prisão de culpados, mesmo daqueles já julgados em segunda instância. Aqui e ali, já surgem vozes dizendo que a operação está desgastada e que encaram a sequência das investigações com ceticismo. Apesar do grande número de inquéritos e de investigados, além das buscas e apreensões e quebras de sigilo, a Lava Jato parece estar entrando em um processo de derretimento. Uma nova descoberta bombástica ou a prisão definitiva de alguns dos implicados, poderia dar um novo alento à investigação.

No Congresso o governo continua sua corrida contra o tempo, na tentativa de aprovar a reforma da Previdência ainda neste ano. De uma maneira geral já começam os preparativos para o posicionamento dos candidatos para a corrida presidencial de 2018. Nomes de eventuais concorrentes, os mais estranhos, surgem e desaparecem ao longo das semanas. Como a disputa ainda não começou, todos os eventuais aspirantes ao cargo ainda se encontram na fase das bravatas e das respostas evasivas. A esta altura da competição, todos se apresentam exatamente como os imaginam seus potenciais eleitores, em cada segmento social.

Com verbas reduzidas praticamente pela metade em 2017, o ministério do Meio Ambiente, segundo declarações do ministro Sarney Filho, conseguiu alcançar uma série de objetivos. Dentre estes se destaca a redução do desmatamento em 16% durante o período de agosto de 2016 e julho de 2017 e a participação de uma grande delegação na Conferência do Clima, a COP 23, realizada em Bonn, na Alemanha. Por falar nisso, foi durante esta conferência que esta mesma delegação brasileira recebeu o prêmio "Fóssil do Dia". Esta premiação ao contrário, é oferecida a países que atrapalham o preparo das negociações sobre o clima, ou que se afastam do cumprimento das metas para conter o aquecimento global. Em 2012, por ocasião da aprovação do atual Código Florestal, o Brasil já havia sido agraciado com esta premiação. Neste ano, o motivo foi a Medida Provisória (MP) 795/2017, que prevê a concessão de cerca de R$ 1 trilhão (R$ 1.000.000.000.000,00) em incentivos para a exploração do pré-sal por empresas petroleiras nacionais e estrangeiras, ao longo de 25 anos. Enquanto outros países se esforçam para reduzir cada vez mais sua dependência do petróleo, priorizando combustíveis renováveis e tecnologias mais eficientes, o governo brasileiro se lambuza cada vez mais com o poluente combustível.

Paradoxalmente, a geração de energia eólica cresceu 25% em 2017. No dia 10 de setembro, a energia do vento chegou a abastecer 71% da região Nordeste, que continua sofrendo com o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. No entanto, apesar do interesse dos investidores internacionais no mercado brasileiro, o governo não está convocando novos leilões de energia por falta de demanda de energia, além de pendências burocráticas e legais. A crise e a falta de financiamento fizeram com que vários projetos de energia eólica fossem abandonados.

Na área do saneamento, praticamente nada de novo. Ao longo dos últimos três anos a taxa de captação de efluentes, por exemplo, cresceu apenas 1% ao ano, o que é muito pouco para um país onde apenas 50,3% da população têm acesso a coleta de esgoto (o percentual do esgoto tratado é menor ainda). Com relação ao abastecimento de água, 83,3% da população têm acesso à água potável. Estes números refletem uma realidade nacional, na qual apenas 30% dos municípios prepararam seu Plano de Saneamento Básico; estudo que será imprescindível para obterem acesso aos recursos federais para obras de saneamento a partir de 2018. Um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou que na velocidade atual dos investimentos, o Brasil apenas conseguirá universalizar o atendimento de água em 2043 e de esgoto em 2054.

Além de não ser um país para amadores, como dizia o compositor Tom Jobim, o Brasil, dado seu ritmo do desenvolvimento, é um país para nossos bisnetos. Boas festas e que venha 2018!
(Imagem: gravura de Emílio Goeldi)

Aristóteles e a Metafísica

sábado, 2 de dezembro de 2017
"Bem, dia marcado, saída ainda no escuro, de madrugada para ganharmos tempo. O galo ainda não havia cantado e as estrelas ainda serviam de bordado de prata para o manto azulado que servia de pala para o Patrão lá de riba."   -   Hugo Bülow   -   Reminiscências gaudérias

Biografia
Aristóteles, o mais famoso discípulo de Platão, nasceu em torno de 385 AEC em Estagira (atual Tessalônica), cidade grega então colônia macedônica, localizada a cerca de 300 km ao norte de Atenas. Aristóteles frequentou a Academia de Platão por cerca de dezenove anos, deixando a escola somente após a morte do mestre. Depois de ser preceptor de Alexandre o Grande, Aristóteles funda sua própria escola de filosofia em Atenas, o Liceu.

Durante doze anos Aristóteles ensina filosofia e mantêm uma escola que contava com outros professores; todos ensinando em três turnos. A escola também dispunha de uma vasta biblioteca, de um jardim botânico e um zoológico. Com a repentina morte de Alexandre, Aristóteles – que por suas ligações com o conquistador macedônio já era considerado espião em Atenas – precisa deixar a cidade às pressas, transferindo-se para a Cálcis, na Eubéia, onde nascera sua mãe. É famosa a frase que Aristóteles teria dito por ocasião de sua fuga de Atenas, dizendo que agia daquela maneira “para evitar que mais um crime fosse perpetrado contra a filosofia”, referindo-se certamente a Sócrates. Logo depois de sua fuga, Aristóteles falece em 322 AEC.

Boa parte da obra de Aristóteles foi perdida, devido à dispersão dos textos entre os discípulos e, principalmente, com o incêndio da biblioteca de Alexandria, em 200 EC. O restante da obra permaneceu espalhado em diversos lugares, tendo sido recuperado a partir de 50 EC, quando o literato Andrônico de Rodes descobriu uma grande quantidade de pergaminhos, contendo textos de Aristóteles escritos pelos discípulos. Andrônico e mais tarde o filósofo Porfírio, no século III, estabeleceram a ordem e a importância nos escritos do filósofo estagirita, formando o que se convencionou chamar de corpus aristotelicum. Esta classificação define – através de várias informações – a época em que cada obra aristotélica que chegou a nós foi escrita. Desta forma, foi identificado o período no qual o filósofo ainda se encontrava sob influência de seu mestre, Platão, mas já contando com um caráter crítico em relação à sua obra, e a fase dos escritos da maturidade, elaborados principalmente na época do Liceu, em Atenas.  

A Metafísica         
O título dado aos escritos reunidos sob o nome de “Metafísica”, surgiu quando da descoberta da obra por Andrônico de Rodes. Encontrados em uma ordem posterior aos livros da Física, Andronico denominou-os simplesmente de ta meta ta physika, os "escritos depois da física". A expressão foi incorporada por todos os filósofos posteriores, tornando-se inclusive uma das áreas de estudo da filosofia. Aristóteles, porém, denominava seus escritos de “filosofia primeira” ou “filosofia teológica”.

A "Metafísica" de Aristóteles engloba catorze livros, que não tratam de somente um tema central. Às vezes, é difícil identificar uma clara sequencia entre um e outro, além do fato de que os assuntos carecem de sequenciamento e continuidade. A obra trata de “uma ciência que investiga o ser como ser e as propriedades que lhe são inerentes devido à sua própria natureza”, como Aristóteles escreve na abertura do Livro IV.

Em nossa análise, limitamo-nos aos quatro primeiros livros da obra. Nestes quatro primeiros tomos, Aristóteles como que prepara o leitor para a apresentação de sua análise do “ser enquanto ser”. Discute o conhecimento e as teorias dos filósofos anteriores a ele (Livro I); estabelece as bases para o conhecimento (Livro II); discute as dificuldades em torno da ciência que quer apresentar (Livro III); e discute aspectos da metafísica e do princípio de não contradição (Livro IV).

Aristóteles inicia o Livro I de sua Metafísica com a frase que ecoa há mais de 2.300 anos na cultura ocidental: “Todos os seres humanos naturalmente desejam conhecimento”. A expressão de certo modo atua como axioma do livro, já que todo o desenvolvimento da obra visa a oferecer este novo conhecimento, elaborado por Aristóteles, a todos os leitores de sua obra, ou seja, simbolicamente a todos os seres humanos.

Em seguida, Aristóteles discute o conhecimento baseado na memória, na prática e nos estudos, apresentando uma graduação do conhecimento, onde deduz que “julga-se o homem da experiência mais sábio do que os meros detentores de qualquer faculdade sensorial, o artista mais do que o homem da experiência, o mestre mais que o artesão; e as ciências especulativas mais ligadas ao saber que as produtivas” (Livro I, Capítulo 1, 30). Aristóteles observa que o conhecimento verdadeiro precisa ter alguma sistemática, quando observa “que a sabedoria é conhecimento de certos princípios” (Livro I, Capítulo 1, 30).

No segundo capítulo do Livro I, Aristóteles ainda discute a sabedoria, firmando que ela pertence a um tipo de conhecimento no grau mais elevado, universal e distante dos sentidos. Avançando em sua argumentação, Aristóteles afirma que o termo que ele está investigando enquadra-se naquele mesmo conhecimento que especula sobre os primeiros princípios e as causas. Ainda no mesmo capítulo o autor utiliza-se de outra ideia, desta vez para explicar o que é a filosofia, mais tarde largamente utilizada: “É por força de seu maravilhamento que os seres humanos começam agora a filosofar e, originalmente começaram a filosofar maravilhando-se primeiramente ante perplexidades óbvias e, em seguida, por um progresso gradual, levantando questões também acerca das grandes matérias, por exemplo, das mutações da lua e do sol, a respeito dos astros, a respeito da origem do universo. Ora aquele que se maravilha e está perplexo sente que é ignorante (de modo que, num certo sentido, o amante dos mitos é um amante da sabedoria, uma vez que os mitos são compostos de maravilhas), portanto se foi para escapar à ignorância que se estudou filosofia, é evidente que se buscou a ciência por amor ao conhecimento, e não visando qualquer utilidade prática” (Livro I, Capítulo 2, 10, 15 e 20).

Aristóteles estabelece que há quatro tipos reconhecidos de causas originais: 1) a substância ou essência de uma coisa – a causa formal; 2) seu substrato material – a causa material; 3) a fonte ou agente através do qual passa a existir – a causa eficiente; e 4) o objetivo ou o fim para o qual algo passa a existir – a causa final.

Definidos estes pontos, Aristóteles passa a discussão das doutrinas dos filósofos que o antecederam. Iniciando o tema, Aristóteles comenta que “A maioria dos primeiros filósofos concebeu apenas princípios materiais para as coisas” (Livro I Capítulo 3,5). Informa que baseado no pressuposto destas teorias, nada era gerado ou destruído, já que esta entidade primária não era destruída. Em seguida, discorre sobre as diversas opiniões e doutrinas de alguns filósofos pré-socráticos. De Tales de Mileto fala que este considerava a água como princípio de tudo. De Anaxímenes de Mileto, comenta que este sustenta que o ar é anterior à água. Hipaso de Metaponto e Heráclito de Éfeso sustentavam que o princípio primordial era o fogo, e assim por diante, passando por Anaxágoras e Empédocles. Ao final da análise destes filósofos, Aristóteles se pergunta “Porque se é realmente verdadeiro que toda geração e destruição procede de um elemento, ou mesmo de mais de um, por que sucede assim e qual é a causa?” (Livro I, Capítulo 3, 20).

Com relação a Leucipo e Demócrito, Aristóteles comenta que estes sustentavam que os elementos são o cheio e o vazio, classificando o primeiro ser e o segundo como não ser. Ainda dando exemplos deste princípio único do universo na acepção das diversas correntes filosóficas, Aristóteles avalia a teoria dos números dos pitagóricos e a teoria da imutabilidade do universo, defendida pelos eleatas. Abordando as diversas teorias sobre o "Ser" dos filósofos que o antecederam, o Estagirita termina sua explanação com a concludente frase: “Isso é tudo, portanto, que pode ser aprendido com os primeiros filósofos e seus sucessores”.

Ainda no mesmo livro, Aristóteles discute a questão das Ideias de Platão, conceito filosófico que de certo modo representa uma ruptura com os filósofos anteriores. Platão, segundo a avaliação de Aristóteles, teve a ideia de que ao "Primeiro Princípio" não correspondia nada sensível, como colocado por todos os filósofos pré-socráticos (discutidos anteriormente por Aristóteles), mas a “entidades de outro tipo, isto porque é impossível haver definição geral de coisas sensíveis que estão em constante mutação” (Livro I, Capítulo 6, 5). Platão empregava, segundo Aristóteles, somente duas causas (diferentemente dele que empregava quatro), ou seja, a essência e a causa material. As Ideias (Aristóteles utiliza a expressão "Formas") são causa da essência em todo o universo e o "Uno" é a causa da essência nas Ideias.

Aristóteles, porém, também critica a posição de seu mestre, Platão, já que “ao tratar o Uno como substância, e não como predicado de alguma outra realidade, seu ensinamento assemelha-se ao dos pitagóricos, e inclusive é concordante com estes, ao enunciar que os números são as causas do ser em tudo o mais” (Livro I, Capítulo 6, 20).

Novamente, Aristóteles firma que os filósofos anteriores tentaram explicar o primeiro princípio, sem chegar a uma explicação aceitável: “quanto à essência ou substâncias das coisas, ninguém a enuncia explicitamente” (Livro I, Capítulo 7, 30). Em seguida comenta que vai examinar as posições dos pensadores das gerações passadas e apontar os seus erros, já que todos aqueles que consideram somente a matéria corpórea estão incorrendo em erro. Depois de novamente comentar aspectos das doutrinas de Empédocles, Anaxágoras, dos pitagóricos e de se voltar também à teoria das Formas (Ideias) de Platão, Aristóteles aponta a dificuldade de se explicar o "Ser" a partir de tais teorias, dada a variedade de elementos e a dificuldade da percepção.

Debatendo e criticando sistematicamente os conceitos dos sues antecessores, Aristóteles acaba chegando, mais uma vez, ao pensamento de seu mestre, de cuja teoria das Ideias afirma: “Dizer que as Formas (Ideias) são modelos e que outras coisas delas participam é empregar frases ocas e metáforas poéticas, pois o que é que confecciona coisas no molde das Ideias?” (Livro I, Capítulo 9, 20).

O Livro II inicia com a afirmação de que “a investigação da verdade é difícil para uma única pessoa, mas a contribuição de cada investigação traz um resultado considerável.” Trata-se também de uma bela definição do desenvolvimento do processo da investigação científica. Como afirmou Isaac Newton, em relação aos seus descobrimentos científicos, dizendo que era um anão que enxergava longe porque estava em pé, nas costas de gigantes. Com isso, a exemplo de Aristóteles, Newton se referia à contribuição que cada antecessor seu fez para a investigação da verdade (científica).

Aristóteles afirma que deve haver algum primeiro princípio, já que não é possível que as causas se estendam por uma sequência infinita: "Ademais", se o número dos tipos de causas fosse infinito, continuaria sendo impossível obter conhecimentos, uma vez que é somente quando ficamos familiarizados com as causas, que supomos conhecer uma coisa, e não é possível, num tempo finito, examinar o que é infinito por adição (Livro II, Capítulo 2, 30).

No início do Livro III Aristóteles afirma que é necessário, na ótica da ciência que está sendo investigada, descrever as questões que devem ser primeiramente discutidas. Depois de colocar várias questões quanto à substância, Aristóteles afirma que é preciso examinar a que domínio pertence o estudo destas questões. Acima de tudo, afirma, está “a mais desnorteante de todas as questões: se a unidade e o ser não são distintos, mas a substância das coisas, mas se assim não é, e se o substrato é algo diferente e se os primeiros princípios são universais ou semelhantes a coisas individuais; e se existem em potência ou ato; e se sua potencialidade ou atualidade depende de alguma coisa além do movimento” (Livro III, Capítulo 1, 5,10).
     
Em seguida Aristóteles discute qual ciência teria como objeto de estudo as substâncias e pergunta se só existem substâncias sensíveis ou se também existiriam outras. Volta a criticas Platão indiretamente, novamente fazendo referência a teoria das Ideias ao afirmar que “o mais despropositado é a doutrina segundo a qual há certas coisas independentemente daquelas do universo sensível, e que essas coisas são idênticas às coisas sensíveis, salvo pelo fato de serem eternas, enquanto as coisas sensíveis são perecíveis” (Livro III, Capítulo 2, 5).

Inicia-se uma discussão sobre qual ciência deve ser aquela a falar do “ser enquanto ser” e qual seria seu objeto de estudo. Afirma depois que “a questão mais árdua de todas a ser investigada, e ao mesmo tempo a mais importante do prisma da descoberta da verdade, é se, afinal, o ser e a unidade são substâncias das coisas existentes, não sendo cada um deles nada mais do que ser e unidade respectivamente, ou se devemos inquirir o que são exatamente ser e unidade, havendo alguma outra natureza a eles subjacente.” (Livro III, Capítulo 4, 5). Durante todo o Livro III Aristóteles ainda discute outros aspectos de sua investigação, como a impossibilidade da multiplicidade de seres, caso haja ser absoluto e unidade absoluta, e a possibilidade da existência do nada, caso os elementos existam potencialmente.

O Livro IV abre com a famosa definição da Metafísica: “Há uma ciência que investiga o ser como ser e as propriedades que lhe são inerentes devido a sua própria natureza”. E ainda completa que “E do ser como ser que nós também temos que aprender as primeiras causas” (Livro IV, Capítulo 1, 30). Mais à frente, Aristóteles deduz que a causa primária é a substância e nesse caso “é da própria substância que o filósofo deve aprender os primeiros princípios e causas” (Capítulo 2, 15). Aristóteles comenta que a função de todo filósofo é também investigar os princípios do raciocínio silogístico, já que é impossível que uma coisa seja e não seja.
Mais à frente, critica a teoria de Protágoras (filósofo sofista contemporâneo de Platão), que, se levada às suas últimas consequências, afirma que tudo é ao mesmo tempo verdadeiro e ao mesmo tempo falso (o raciocínio dos sofistas). Em seguida, aponta o fato de que as percepções podem enganar as pessoas, o que pode nos levar ao raciocínio de que não existem certezas. Outro grupo importante de pensadores, os eleatas, defendia que o universo era constituído de uma única e imutável substância. Negando a realidade da mudança, observa Aristóteles, os eleatas evitaram a necessidade de examinar a questão da causa eficiente das coisas (o princípio do movimento e repouso dos seres).

Através de outros exemplos, como Epicuro e Crátilo, Aristóteles aborda a questão do movimento, de sua possibilidade ou impossibilidade, e a facilidade com que nossas impressões nos enganam. Neste caso, Aristóteles usa como exemplo as percepções de uma pessoa saudável, para quem o doce tem gosto de doce, e o enfermo, para quem o doce pode ter gosto amargo (comparação famosa na Antiguidade, utilizada pelo filósofo Demócrito e por várias escolas de pensamento). Por fim, ainda, Aristóteles critica aqueles que negam uma realidade do fenômeno em si, dizendo que tudo está atrelado à opinião das pessoas, mas que não pode haver opiniões contrárias ao mesmo tempo: “Dizer que o que é não é, ou que não é, é falso, mas que o que é, e que o que não é não é, é verdadeiro” (Livro IV, Capítulo 7, 25). Com isto Aristóteles estabelece as bases do princípio da não contradição.

Ao final do IV livro, Aristóteles estabelece que todas as coisas são movidas por outras, que todas as coisas estão por vezes em movimento ou em repouso. Todavia, há algo que não é movido e que é a causa de todo o movimento; o Primeiro Motor (neste caso, Aristóteles refere-se ao movimento das esferas dos astros).


Bibliografia
ARISTÓTELES, Metafísica (tradução, notas e textos adicionais de Edson Bini), São Paulo: Edipro, 2006
REALE, Giovanni, ANTISERI, Dario, História da Filosofia Vol. I, São Paulo: Paulus, 1990
ADLER, Mortimer, CAIN, Seymour, Philosophy – The Great Ideas Plan, Chicago: Encyclopaedia Britannica, Inc., 1963
(Imagens: pinturas de Jacob Lawrence)

Todo ano o mesmo: Black Friday continua fraude

quarta-feira, 29 de novembro de 2017
"Nós viemos de um nada inconcebível. Ficamos um tempo em algo que parece igualmente inconcebível, apenas para desaparecer novamente no inconcebível nada."   -   Peter Wessel Zapffe (filósofo norueguês)

Há poucos dias o comércio brasileiro realizou novamente sua mais promoção, a "Black Friday". Paródia anêmica das grandes liquidações homônimas dos Estados Unidos, que desde 1952 ocorrem no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças, anunciando a temporada de compras que antecede o Natal. Do ponto de vista do comércio, as grandes liquidações do Black Friday têm como função vender mercadorias antigas e esvaziar os estoques para os novos produtos e modelos, a serem vendidos antes do Natal. Esta a melhor maneira encontrada pelos fabricantes e comerciantes, para acelerar o giro da produção e das vendas, mantendo os lucros.

No Brasil o Black Friday foi realizado pela primeira vez em 2010, voltado somente para as compras digitais. 2012 em diante a promoção foi estendida para o comércio de balcão e, desde então, ocorre nas duas modalidades. Dados do Wikipedia mostram um gradual crescimento nas vendas entre 2010 e 2014, seguido de uma queda em 2015 e 2016 e apresentando, ao que parece, uma diminuta recuperação em 2017. 

Um dos principais aspectos da promoção tupiniquim são as fraudes nos preços dos produtos. Desde seu lançamento no Brasil, são constantes - e vem aumentando - as reclamações de consumidores, relatando alterações de preços de produtos, trocas de produtos por similares e divulgação de vantagens que normalmente já fazem parte das vendas, como oferecer "frete grátis". A manchete do caderno "Mercado" do jornal Folha de São Paulo de sábado, 23 de novembro de 2017 diz: "Metade dos produtos da Black Friday tem promoção 'falsa'". E o subtítulo: "De 719 itens pesquisados pela Folha, 347 estavam mais baratos ou tinham o mesmo preço 22 dias anteriores à data", ou seja, antes da "promoção" do Black Friday.

Ao longo da matéria o jornal cita exemplos de eletrodomésticos (geladeiras, batedeiras, TVs Led, lavadoras de roupas, fogões) e eletrônicos (smartphone e iphones), cujos preços aumentaram por ocasião da promoção. Um claro caso de Crime contra a Economia Popular, previsto na Lei nº 1521/51. Os maiores infratores são, segundo o jornal, os grandes magazines e supermercados, como Ponto Frio, Extra, Americanas, Wallmart, Casas Bahia, Submarino e Magazine Luíza, que, invariavelmente, a cada ano, figuram em lugares de destaque na "black list" do Black Friday. Segundo o balanço do sítio "Reclame Aqui", o número de queixas de consumidores que se sentiram lesados, aumentou em 2017 em relação a 2016.

O estrangeiro que vem ao Brasil e entra em qualquer estabelecimento comercial, tem a impressão de que o consumidor brasileiro deve ser muito respeitado. Isto porque, em todo lugar, até no carrinho de pipocas, existe um exemplar do Código de Defesa do Consumidor. Em alguns estabelecimentos ainda se encontra um aviso: "Esta loja possui um exemplar do Código de Defesa do Consumidor", como se fosse uma caixa de primeiros socorros ou extintor de incêndio. Transparência acima de tudo!

A verdade, como qualquer brasileiro ou brasileira constata no Black Friday e em todos os outros dias das semanas de todo o ano, é bem diferente. Como se diz por aí nos cursos de vendas, "o consumidor é rei". Sim, e como todo rei deve ser tratado com majestade enquanto é rapinado. É assim que grande parte do comércio se comporta frente ao consumidor. O Código de Defesa do Consumidor, criado através da Lei 8.078 de 11 de setembro de 1990, infelizmente continua sendo apenas item obrigatório no comércio, muitas vezes para dissimular práticas desonestas.
(Imagens: pinturas de Hans Gude)

Lima Barreto

sábado, 25 de novembro de 2017

(publicado originalmente na página da Academia Peruibense de Letras no Facebook)

Afonso Henriques de Lima Barreto (1881-1922), Lima Barreto, foi jornalista e um dos maiores escritores brasileiros. Escreveu romances, contos, sátiras e crônicos em muitos periódicos de sua época. Filho de uma escrava e de um madeireiro português, foi estudante esforçado, além de autodidata, chegando a ingressar na escola de engenharia do Rio de Janeiro. O alcoolismo, associado a outros problemas de saúde, fazem com que faleça em decorrência de um colapso cardíaco aos 41 anos.

Um dos maiores estilistas da literatura portuguesa, deixa obras como: Recordações do escrivão Isaías Caminha, O triste fim de Policarpo Quaresma, além de inúmeros contos e artigos, publicados na imprensa e resgatados postumamente. Famoso é seu conto O homem que sabia javanês. Espírito crítico, mordaz e dotado de grande cultura, Lima Barreto era um grande opositor do governo e da cultura do Rio de Janeiro (e do Brasil) de seu tempo.

De Lima Barreto, apresentamos excertos de algumas crônicas, publicadas no volume Crônicas Escolhidas (Editora Ática, 1995):

É de uso que nas sobremesas , se façam brindes em honra ao aniversariante, ao par que se casa, ao infante que recebeu as águas lustrais do batismo, conforme se tratar de um natalício, de um casamento ou batizado. Mas, como a sobremesa é a parte do jantar que predispõe os comensais a discussões filosóficas e morais, quase sempre nos festins familiares em vez de trocarem ideias sobre a imortalidade da alma ou o adultério, como observam os Goncourts, ao primeiro brinde se segue outro em honra à mulher, à mulher brasileira. (A mulher brasileira)

O carnaval é a expressão da nossa alegria. O ruído, o barulho, o tantã espancam a tristeza que há nas nossas almas, atordoam-nos e nos enchem de prazer. Todos nós vivemos para o carnaval. Criadas, patroas, doutores, soldados, todos pensamos o ano inteiro na folia carnavalesca. A zabumba é que nos tira do espírito as graves preocupações da nossa árdua vida. (O morcego)

Eu não sei que mania se meteu na nossa cabeça moderna de que todas as dificuldades da sociedade se podem obviar mediante a promulgação de um regulamento executado mais ou menos pela coação autoritária de representantes do governo. (Conhecem?)

(Imagem: fotografia de Lima Barreto)

45 mil anos de impacto ambiental

sábado, 18 de novembro de 2017
"A história é o que algumas poucas pessoas fizeram enquanto todas as outras estavam arando campos e carregando baldes de água."   -   Yuval Noah Harari   -   Sapiens - Uma breve história da humanidade

Atualmente, não há mais dúvidas para a ciência de que o homem, o homo sapiens, vem alterando o ambiente em que vive há centenas de milênios. À medida que a tecnologia se desenvolvia - desde as ferramentas de corte feitas de pedra e o domínio do fogo até a invenção do arco -, o impacto do homem sobre o ambiente foi gradativamente aumentando. No entanto foi com a Revolução Cognitiva, período a partir do qual houve um acelerado desenvolvimento da cultura (tecnologia, religião, arte), ocorrida há cerca de 50 mil anos, que o sapiens consolidou sua posição no topo da cadeia alimentar dos diversos biomas que habitava.  

A primeira incursão humana para um mundo fora dos continentes africano e eurasiano se deu há aproximadamente 45 mil anos. O historiador israelense Yuval Noah Harari, em sua obra Sapiens - Uma breve história da humanidade, relata a ocupação da Austrália por humanos vindos de ilhas da Indonésia. Logo depois disso, dados arqueológicos dão conta do rápido desparecimento de diversas espécies de animais, num ritmo além do natural. Cangurus imensos de 200 quilos e dois metros de altura, coalas gigantes, leões marsupiais do tamanho de um tigre moderno, lagartos de 7 metros e até 600 quilos; o diprotodonte, ancestral do vombate que tinha três metros de comprimento e o genyorni, ave carnívora com dois metros e pesando 230 quilos. Todos extintos. Harari diz em seu texto: "Em alguns milhares de anos, virtualmente todos estes gigantes desapareceram. Das 24 espécies animais australianas pesando 50 quilos ou mais, 23 foram extintas." Também há muitos indícios fósseis de grandes queimadas efetuadas pelos primitivos habitantes da ilha, provavelmente para o abate simultâneo de manadas de animais. O eucalipto, raro há 45 mil anos, espalhou-se por todo o continente australiano, pois é muito resistente ao fogo, diferentemente de outras árvores e arbusto que desapareceram.

Estudo recentemente publicado na revista Nature Plants mostra o impacto das populações humanas, há milhares de anos, em zonas florestais como Sri Lanka, Nova Guiné, Austrália, México e Amazônia brasileira. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo o representante do instituto Max Planck, realizador do estudo, informou que a queima da vegetação era realizada de maneira controlada, de modo a criar áreas abertas, propícias ao crescimento de certas plantas comestíveis e à presença de certos animais. O que de maneira geral a pesquisa indica, é que essas populações, através da experiência, já dominavam técnicas de manejo da vegetação e com isso aumentavam suas chances de obter alimentos.

Outro estudo realizado pela Universidade de São Paulo entre 2016 e 2017 também coloca em cheque o conceito de que a floresta amazônica era um ambiente quase intocado até a poucas décadas. A identificação de mais de 400 geoglifos (grandes figuras feitas no solo através da deposição ou remoção de sedimentos) no Acre, atestam a ocupação destas áreas há quatro mil anos, através do manejo da vegetação original. Os pesquisadores descobriram que a mata era substituída por espécies comestíveis, como milho, abóbora e palmeiras.

O impacto ambiental de nossa espécie não se limita aos últimos 200 ou 300 anos, com o aumento da população mundial e o advento da industrialização. A ação do homem em seu ambiente tem relação direta com o desenvolvimento tecnológico das sociedades. 

(Imagens: fotografias de habitantes das florestas da Nova Guiné)

Giacomo Leopardi

sábado, 11 de novembro de 2017

(publicado originalmente na página da Academia Peruibense de Letras no Facebook)

Giacomo Leopardi (1798-1837) foi um dos maiores poetas italianos. Educado por um preceptor escolhido por seu pai, desde cedo teve contato com os clássicos gregos e latinos da imensa biblioteca paterna. Na juventude foi vítima de doença que o deixou cego de um olho e o marcou fisicamente para o resto da vida. 

Sua obra é marcada pela melancolia e ceticismo, ressaltando o aspecto trágico da vida humana. Entre suas maiores obras estão a coleção de pensamentos Zibaldone, a coleção de poemas Cânticos e os poemas meditativos Opúsculos morais. Abaixo transcrevemos um trecho desta obra:

Mas como os mortais no primeiro momento de cada dia readquirem uma parte da juventude, assim envelhecem todos os dias e finalmente se extinguem; igualmente o universo no princípio de cada ano renasce e nem por isso deixa de continuamente envelhecer. Tempo virá em que ele e a própria natureza se apagarão. Assim como de grandes reinos e impérios humanos com seus movimentos maravilhosos, famosíssimos em outros tempos, nada resta hoje, de indícios ou fama; o mesmo, do mundo inteiro, dos acontecimentos infinitos e das calamidades das coisas criadas, não restará um vestígio sequer. Apenas um silêncio nu e uma altíssima quietude encherão o espaço imenso. Assim esse arcano admirável e espantoso da existência universal, antes de ser declarado ou compreendido, se extinguirá e se perderá.

(Imagem: retrato de Giacomo Leopardi)

Prefeituras não conseguem implantar a PNRS

sábado, 4 de novembro de 2017
"No mundo inteiro, cerca de metade da produção de grãos é utilizada para alimentar animais."   -   Alan Weisman   -   Contagem regressiva 

Publicada em 2010 no final do governo Lula, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) foi celebrada como solução para a questão da destinação de resíduos no Brasil. O projeto de lei original é de 1992 e por muitos anos permaneceu no Congresso esperando aprovação. Prevista para entrar em vigor a partir de 2014, teve sua validade prorrogada pelo Congresso para 2018, já que pouquíssimos municípios teriam condições de colocar a lei em prática, por falta de recursos. Parte do setor privado mais organizado, principalmente as grandes empresas e aquelas cujos produtos têm maior impacto ambiental, já elaborou e começa a implantar práticas de gestão de resíduos, chamadas de logística reversa. No entanto, enquanto as prefeituras não organizarem sistemas de gestão - coleta, reciclagem e destinação - de seus imensos volumes de lixo, a PNRS não acontecerá na prática.

Nem mesmo a queda na geração nacional de resíduos, que em 2016 com 78,3 milhões de toneladas geradas diminuiu 2,04% em relação a 2015, está ajudando os municípios. A recessão econômica, provocando a queda do consumo, fez com que na média nacional o brasileiro produzisse 2,9% menos lixo do que em 2015, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública (Abrelp). Mesmo assim, as prefeituras de todo o pais, com menos recursos arrecadados, estão acumulando uma dívida de R$ 8 bilhões com empresas que prestam serviços de coleta, segundo dados da Câmara dos Deputados. A inadimplência das prefeituras junto às empresas de coleta, fez com que até agora o setor tivesse que dispensar 17 mil funcionários, segundo informação da Abrelp.

Mesmo no estado de São Paulo, o mais rico e desenvolvido do país, uma pesquisa do Tribunal de Contas do Estado (TCE) realizada em 2016, constatou que 71,17% dos municípios paulistas não dispõem de áreas específicas para disposição dos resíduos de saúde. 58,28% das cidades avaliadas não possuíam local para descarte de resíduos da construção civil, 94,48% não contavam com usinas de compostagem de resíduos orgânicos e 38,4% dos municípios nem dispunham de cooperativas de catadores organizadas. O quadro no restante do país deve ser o mesmo ou talvez até pior.

Outro fato levantado por um estudo realizado pela Abrelp em 482 municípios, cujos dados foram extrapolados estatisticamente para todas as 5.570 cidades brasileiras, é que vem aumentando o número de administrações municipais que passaram a usar lixões para destinar os resíduos urbanos. Segundo dados da associação, em 2016 havia 2.239 cidades que dispunham de aterro sanitário; 1.772 tinham aterro controlado e 1559 utilizavam o lixão. O estudo revela que 81 mil toneladas diárias de lixo são depositadas em locais inadequados e que também não houve um aumento da reciclagem de materiais.

O quadro geral não permite otimismo, já que será lenta a recuperação da economia e da arrecadação dos municípios. A Abrelp sugere que as cidades instituam a cobrança de taxas específicas para a gestão da limpeza municipal, a taxa do lixo. Segundo a associação, das cidades que planejam e têm orçamento para o setor, 75% dispõem seus resíduos urbanos de forma correta, em aterros sanitários. A solução deveria funcionar, desde que a população perceba que os recursos estão efetivamente sendo destinados à implantação de um programa de gestão de resíduos, e não para outros fins.
      
(Imagens: pinturas de John Tunnard)

Matias Aires

sábado, 28 de outubro de 2017

(publicado originalmente na página da Academia Peruibense de Letras no Facebook)

Matias Aires da Silva de Eça, conhecido como Matias Aires, foi escritor e filósofo moralista - o primeiro filósofo nascido no Brasil. Nasceu na cidade de São Paulo em 1705, filho de um bem sucedido comerciante português, com boas relações com a coroa e a corte portuguesa. Fez seus estudos básicos em um colégio jesuíta de São Paulo. Em 1716 sua família volta para Portugal, onde Matias conclui seus estudos de artes e filosofia na universidade de Coimbra.

Entre 1728 e 1733 Matias Aires mora em Paris, onde estuda direito civil e canônico na universidade de Sorbonne. Durante sua estadia na França, Matias Aires tem contato com a cultura francesa, principalmente a filosofia, lendo autores como Voltaire, D'Alembert e Diderot entre outros. De volta a Portugal, torna-se sucessor de seu pai no cargo que este ocupava, casa-se e tem dois filhos. Com a morte de seu pai, divide com sua irmã - também escritora - a grande fortuna da família.

A partir de então, Matias Aires passa a dedicar-se às atividades literárias e à tradução dos clássicos latinos. Em 1752 publica sua mais conhecida obra "Reflexões sobre a vaidade dos homens", obra filosófico moralista, baseada na famosa frase do Eclesiastes "Vanitas vanitatum et omnia vanitas" (Vaidade das vaidades, tudo é vaidade). A obra lançada na maturidade do autor reflete a experiência de toda sua vida e trata principalmente da vaidade, do amor e do ceticismo. No livro, Matias Aires coloca a vaidade como principal aspecto da vida humana, sem, no entanto, chegar a definir exatamente esse sentimento. Dá a entender que a vaidade seja um impulso que faz o homem viver de aparências, mentiras, ilusões e autoenganos.

Apesar de ter tido contato com o iluminismo francês do século XVIII, Matias Aires é um autor bastante influenciado pelos moralistas franceses do século XVII, como Bossuet e La Bruyère, e pensadores como Pascal (1623-1662) e Hobbes (1588-1679). Aires não compartilha a visão otimista do homem dos iluministas, tendo uma visão pessimista sobre o ser humano, próxima do calvinismo. De sua obra "Reflexões sobre a vaidade dos homens" (Martins Fontes, 1993), destacamos as seguintes passagens:

"Sendo o termo de vida limitado, não tem limite a nossa vaidade; porque dura mais do que nós mesmos e se introduz nos aparatos últimos da morte." (Fragmento 1);

"Acabam os heróis e também acabam as memórias de suas ações; aniquilam-se os bronzes, em que se gravam os combates; corrompem-se os mármores, em que se esculpem os triunfos; e apesar dos milagres da estampa, também se desvanecem as cadências de prosa, em que se descrevem as empresas, e se dissipam as harmonias do verso, em que se depositam as vitórias; tudo cede à voracidade cruel do tempo." (Fragmento 28);

"Só a vaidade sabe dar existência às coisas que a não têm, e nos faz idólatras de uns nadas, que não têm mais corpo que o que recebem do nosso modo de entender, e nos induz a buscarmos esses mesmos nadas, como meios de nos distinguir; sendo que nem Deus, nem a natureza nos distinguiu nunca." (Fragmento 49);

"O aplauso é o ídolo da vaidade, por isso as ações heroicas não se fazem em segredo, e por meio delas procuramos que os homens formem de nós o mesmo conceito que nós temos de nós mesmos. Raras vezes fomos generosos só pela generosidade, nem valorosos só pelo valor. A vaidade nos propõe que o mundo do todo se aplica em registrar os nossos; para este mundo é que obramos; por isso há muita diferença de um homem a ele mesmo; posto no retiro é um homem comum, e muitas vezes ainda com menos talento que o comum dos homens; porém posto em parte donde o vejam, todo é ação, movimento e esforço." (Fragmento 68);

"Vemos as coisas pelo modo com que as podemos ver, isto é, confusamente, e por isso quase sempre as vemos como elas não são." (Fragmento 79);

"Tudo quanto vemos, é como por uma interposta nuvem; o que imaginamos, também é como por entre o embaraço de mil princípios diferentes, incertos e duvidosos; e quando nos parece que a nossa vista rompeu a nuvem, e que o nosso discurso desfez o embaraço, então é que estamos cegos, e então é que erramos mais." (Fragmento 79);

"Que coisa é a ciência humana, senão uma humana vaidade? Quem nos dera que assim como há arte para saber, a houvesse também para ignorar; e que assim como há estudo que nos ensina a lembrar, o houvesse também que nos ensinasse a esquecer." (Fragmento 83);

"Contra o nosso parecer, nunca achamos dúvida bastante; contra o dos outros sim. A vaidade é engenhosa em glorificar tudo o que vem de nós, e em reprovar tudo o que vem dos outros." (Fragmento 121);

"Os homens mais facilmente se mudam do que se emendam; quem muda é o tempo, a ciência não. Comumente o que nos faz deixar os vícios, é a impossibilidade de os conservar; e ainda então o que perdemos é o uso deles, e não a vontade." (Fragmento 125);


(Imagem: pintura de Pieter Claesz)

O impacto das mudanças climáticas no litoral brasileiro

sábado, 21 de outubro de 2017
"A tradição é rotina. Mas ela é rotina que é intrinsecamente significativa, ao invés de um hábito por amor ao hábito, meramente vazio."   -   Anthony Giddens   -   As consequências da modernidade

O Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) publicou recentemente o relatório "Impacto, vulnerabilidade e adaptação das cidades brasileiras às mudanças climáticas" (disponível em: https://drive.google.com/file/d/0Bxchau3sCq6keVYwZFI3TFoxWGs/view), apontando os diversos efeitos que o fenômeno terá sobre o litoral do país. O aumento do nível das águas do mar e seu efeito sobre a infraestrutura urbana e áreas vizinhas, deverá ser percebido nitidamente a partir da segunda metade deste século.

Suzana Kahn, presidente do PBMC, em declaração ao jornal Folha de São Paulo, apontou a gravidade do fenômeno: "Está bem ruim mesmo. A situação está difícil, mas a função do relatório é apontar os cenários que podem acontecer." O PBMC, criado em 2009 pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e Ministério do Meio Ambiente, reúne especialistas que se dedicam ao estudo dos impactos das mudanças do clima em várias áreas, como infraestrutura, economia, urbanismo, etc.

O litoral do Brasil tem 8.698 quilômetros de extensão e área de 514 mil quilômetros quadrados. Ao longo da costa se alinham aproximadamente 400 municípios de diversos tamanhos, que com diversas atividades econômicas, como a pesca, o turismo, portos, indústrias, exploração de petróleo e centros administrativos, entre outros, respondem por 30% do PIB brasileiro e concentram 60% da população. A preocupação dos especialistas tem fundamento, já que 18 das 42 regiões metropolitanas brasileiras estão estabelecidas na região costeira ou então são diretamente influenciadas por ela: Macapá, Belém, São Luiz, Fortaleza, Natal, Aracaju, Maceió, João Pessoa, Recife, Salvador, Vitória, Rio de Janeiro, Vale do Paraíba/Litoral Norte de São Paulo, Baixada Santista, Joinville, Foz do Itajaí, Florianópolis e Porto Alegre.

Segundo os especialistas, o nível das águas do Atlântico deverá elevar-se em 20 cm. a 30 cm. até o final de século na costa brasileira (existem dados mais pessimistas falando em 80 cm.). O impacto dessa elevação será percebido gradualmente, mas criando a necessidade de realocar bairros inteiros, alterar e reforçar a infraestrutura (transportes, eletricidade, saneamento) e preparar as cidades para outras emergências climáticas. Nessa situação, as cidades mais prejudicadas serão aquelas que terão menos recursos financeiros e capacidade de planejamento.

Segundo o secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl, o país já dispõe de um "Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima", que fornece diversos dados sobre o fenômeno climático e relaciona medidas importantes para que o país possa fazer face a estas mudanças. Em 2015, a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) e cientistas americanos e ingleses, já haviam realizado um estudo sobre os efeitos do aumento do nível do mar, focado na região da cidade de Santos, em São Paulo.

Sendo assim, não faltam dados e indicações, para que cidades litorâneas de todo o Brasil deem início ao planejamento de ações concretas para proteger as cidades. No entanto, segundo Carlos Rittl, o plano ainda não começou a sair do papel. Para o secretário, o Brasil está retrocedendo em suas políticas ambientais e climáticas. Pressões de grupos econômicos, apoiados por bancadas de congressistas, estão propiciando o aumento de desmatamento e a implantação de projetos que contribuirão ainda mais para destruir os recursos naturais do país.
(Imagens: pinturas de Gustave Courbet)

Ferreira Gullar

sábado, 14 de outubro de 2017

(publicado originalmente na página da Academia Peruibense de Letras no Facebook)

Ferreira Gullar, pseudônimo de José Ribamar Ferreira Gullar (1930-2016), foi escritor, poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta. Na década de 1950, participou do movimento da poesia concreta, tendência estética que reunia artistas plásticos e poetas, das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Ao final da década afastou-se do movimento, para junto com outros artistas criar o neoconcretismo, que dava mais valor à subjetividade. No início dos anos 1960 abandona o neoconcretismo para dedicar-se a uma poesia politicamente engajada.

Tendo entrado para o Partido Comunista Brasileiro (PCB) e tendo militância política, Ferreira Gullar acabou preso. Exilou-se e foi viver na União Soviética, Chile, França e Argentina entre 1971 e 1977, quando é absolvido em processo no Superior Tribunal Federal e pôde retornar ao Brasil. Durante sua permanência na Argentina escreveu sua mais conhecida obra, "Poema Sujo" (1976).

De volta ao Brasil Ferreira Gullar dedicou-se à atividade de crítico de arte e jornalista, além da poesia, tendo ganho vários prêmios, como "Premio Jabuti de Melhor Livro de Ficção" em 2007 e o "Prêmio Camões" em 2010, atribuído aos maiores escritores da língua portuguesa. Em dezembro de 2014 toma posse na Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira 37, cujo patrono é o inconfidente e poeta mineiro Tomás Antonio Gonzaga.

De sua extensa produção poética destacam-se "Luta Corporal" (1954), "Dentro da Noite" (1975), "Poema Sujo" (1976) e "Em Alguma parte Alguma (2010). Além desses, Gullar também escreveu textos para o teatro ("Um rubi no umbigo", 1979), memórias ("Rabo de Foguete - os anos do exílio", 1998), biografias ("Nise da Silveira: uma psiquiatra rebelde", 1996) e ensaios ("Argumentação contra a morte da arte", 1993 entre outros). 

De sua antologia antologia poética, destacamos "Poemas Escolhidos" (Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1989), de onde reproduzimos os trechos de poemas abaixo:

Em verdade, é desconcertante para
os homens o
trabalho das nuvens.
Elas não trabalham
acima das cidades: quando
há nuvens não há
cidades: as nuvens ignoram
se deslizam por sobre
nossa cabeça: nós é que sabemos que
deslizamos sob elas: as
nuvens cintilam, mas não é para o coração dos homens.

(Do poema "O trabalho das nuvens", publicado em "A luta corporal").


Não se trata do poema e sim do homem
e sua vida
- a mentida, a ferida, a consentida
vida ganha e já perdida e ganha
outra vez.
Não se trata do poema e sim da fome
de vida,
              o sôfrego pulsar entre constelações
e embrulhos, entre engulhos.
                                             Alguns viajam, vão
a Nova York, a Santiago
do Chile. Outros ficam
mesmo na Rua da Alfândega, detrás
de balcões e guichês.

(Do poema "A vida bate", publicado em "Dentro da noite veloz").


Espalharam por aí que o poema
é uma máquina
                        ou um diadema
que o poema
repele tudo que nos fale à pele
e mesmo a pele
de Hiroxima
que o poema só aceita
a palavra perfeita
ou quando muito aceita a palavra neutra
pois quem faz o poema é um poeta
e quem lê o poema, um hermeneuta.

(Do poema "Boato", publicado em "Dentro da noite veloz")

(Ilustração: fotografia de Ferreira Gullar)