Newsletter janeiro/fevereiro 2017

sábado, 21 de janeiro de 2017

(originalmente publicado no site www.ricardorose.com.br)

No final de 2016, perto da chegada do Ano Novo, encontrávamos pessoas desejando um Feliz 2018. Seguindo a sequência de tempos ruins que teve início em final de 2014, parece que 2017 não trará grandes novidades, em nenhum aspecto.
No plano econômico não são esperadas surpresas. A inflação está caindo desde o final de 2016 e os juros deverão iniciar sua queda lenta e gradual ao longo do ano, dependendo da cautela do Banco Central. Mas nada que volte a ativar o consumo, já que o número de desempregados ainda continuará em ascensão até o segundo semestre de 2017. A indústria, que apresenta dados melhores - a queda da produção industrial está gradualmente caindo menos - desde o final do último ano, deve recuperar-se lentamente, dependendo do vagaroso aumento da demanda. Assim, na economia, o quadro não é muito animador.
Na política o ambiente é confuso: o espectro da Lava Jato continua rondando o Congresso, o Judiciário tem forte participação do processo político e há uma crônica ausência de verdadeiras lideranças, principalmente tendo em vista as eleições de 2018. O governo conseguiu aprovar a PEC 241 que limita os gastos públicos e encaminhou a PEC 287 da Reforma da Previdência. Além disso, Temer conseguiu que a Câmara aprovasse o PL 4330/04 que flexibiliza a CLT, projeto que agora espera uma aprovação do Senado. Se por um lado foi capaz de estabelecer limites para os gastos públicos e encaminhar outras providências de cunho liberal, o governo continua e continuará a enfrentar forte oposição, principalmente de centrais sindicais, funcionários públicos e categorias profissionais com sindicatos fortes – metalúrgicos, bancários, químicos, entre outros. Para o restante dos trabalhadores, sem forte representação sindical e pressionados pela crise econômica, as medidas talvez ajudem a tornar o mercado de trabalho um pouco mais dinâmico e propício às contratações. Um dos itens que ainda falta discutir seriamente é a situação do serviço público, principalmente o federal, cada vez mais cumulado de privilégios.
O meio ambiente definitivamente não constou da agenda dos dois governos (Dilma e Temer) em 2016. Os investimentos em saneamento, por exemplo, segundo dados do Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento (SNIS), coordenado pelo Ministério das Cidades, caíram em 9%, diminuindo de R$ 13,9 bilhões em 2014 para R$ 12,7 bilhões em 2015. Lembremos que segundo dados do Banco Mundial, ainda da década passada, o país deveria investir cerca de R$ 25 bilhões anuais para alcançar cobertura completa de saneamento até 2030. Para 2017 o governo falou em projetos de concessão de serviços públicos para o setor privado, mas não mencionou o setor de saneamento.
A gestão de resíduos, cujo principal tema é a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), avança gradualmente entre as empresas e associações do setor privado, notadamente nos grandes grupos econômicos que geram grandes volumes de resíduos. As prefeituras praticamente ignoram o assunto, notadamente as cidades de menor população, cujos prefeitos serão obrigados a implantarem uma política de gestão de resíduos somente em quatro a seis anos – quando gestores muito provavelmente já não estarão mais nos cargos.

A novidade positiva no setor é que em função da crise hídrica e econômica a população está aprendendo a utilizar melhor recursos como água, eletricidade e outros insumos. A falta de recursos para manter o consumo aliado ao aumento das tarifas, fez com que os consumidores reduzissem em média em 20% o consumo de eletricidade e água. Paralelamente, grandes empresas dependentes de água estão investindo em projetos de recuperação de vegetação, visando aumentar o volume do líquido disponível nas bacias hidrográficas.
(Imagem: pintura de Thomas Gainsborough)

0 comentários:

Postar um comentário