Banheiro público, pra quê?

sábado, 11 de fevereiro de 2017
"Comer é humano, mas digerir é divino." -  Mark Twain

Já notaram que as estradas brasileiras não possuem banheiros públicos? Em quase todos os países, principalmente os que procuram se colocar naquela categoria que se convencionou chamar de "civilizado", as autoestradas possuem banheiros públicos. Mas não é aquele banheiro do restaurante de estrada "que oferece este serviço adicional ao cliente". Do tipo "vou fazer um lanchinho e aproveitar pra tirar uma água do joelho". Não, é banheiro mesmo, mantido pelo órgão público ou concessionária privada que administra a estrada. E é banheiro limpo, podendo ser usado por toda a família - mulheres e crianças inclusive -, com papel higiênico e de mão à vontade. Melhor do que muito banheiro de shopping center por aqui. Às vezes o usuário paga um pequeno valor para ajudar na manutenção do serviço e inibir a entrada de arruaceiros.
Presumo que tais instalações sanitárias sejam caríssimas, daí a dificuldade da maioria dos países em construí-las e fazerem parte do mundo civilizado (aquela história de não cuspir no chão, lavar as mãos regularmente, saber comer com garfo e faca, "Obrigado", "Bom dia", "Com licença", etc.). Os custos dos banheiros públicos devem ser altos, o que torna impossível incluir a construção destes luxuosos estabelecimentos nos projetos das nossas rodovias. Se as concessionárias fossem forçadas por alguma draconiana lei a construírem banheiros ao longo de suas estradas, com certeza teriam que aumentar em muito a taxa de pedágio. No caso das rodovias administradas pelos governos, a construção de banheiros é fora de questão; só se fosse aprovado mais um imposto.
Outro aspecto a ser considerado é se tais instalações seriam realmente necessárias. Afinal, com tantos restaurantes, churrascarias, lanchonetes, ranchos da pamonha ao longo das nossas estradas, quem faria uso do sanitário público? Não dando para esperar o próximo restaurante daquela famosa rede a apenas 35 quilômetros, sempre existe a opção do matagal. As vezes não há nem necessidade de uma cobertura vegetal; é só encostar no carro e se aliviar! À parte o deplorável espetáculo para os outros viajantes que transitam pelo local no exato momento do ato, nada demais que a cultura popular não possa assimilar. Quem passa apertos são as mulheres. Estas têm que realmente dar um jeito e esperar chegar o restaurante, que agora está a apenas 15 minutos, à frente.

Melhor assim. Pra que banheiro público? Afinal, são poucos os dias do ano em que algumas de nossas estradas estão tão apinhadas de carros, que uma viagem de 100 ou 150 quilômetros pode levar 5, 6, 8 horas! Nestas datas fatídicas - véspera do Ano Novo, Carnaval, Páscoa e alguns feriados - dá se um jeito. Afinal, não somos o país do improviso e da adaptação? É como disse aquele político ligado a famosas empreiteiras: "Banheiro público é coisa de país rico. Nós temos imensos e quase inexplorados acostamentos!" Segurança em primeiro lugar! O importante é que a estrada seja boa pra que meu carro - lavado, polido e com rodas especiais - tenha uma estrada boa e segura pra transitar!
(Imagens: fotos de banheiros públicos na antiga Roma)

0 comentários:

Postar um comentário