Considerações oportunas (I)

quinta-feira, 14 de abril de 2011
Jornal O Estado de São Paulo em 13/04/2011:
Baixo clero da Câmara atua para evitar cassação de Jaqueline Roriz
Interesse de parlamentares é evitar que caso abra precedentes para futuros julgamentos; questão central de processo contra deputada flagrada recebendo dinheiro do mensalão do DF é se fatos ocorridos antes da posse podem ser considerados.

Emil Cioran escreve:
"E o povo?", perguntarão. O pensador ou o historiador que emprega esta palavra sem ironia se desacredita. O "povo", sabe-se muito bem a que está destinado: a sofrer os acontecimentos e as fantasias dos governantes, prestando-se a desígnios que o enfraquecem e o oprimem. Toda experiência política, por mais "avançada" que seja, desenrola-se à sua custa, dirige-se contra ele: o povo carrega os estigmas da escravidão por decreto divino ou diabólico. É inútil apiedar-se dele: sua causa é sem remédio. Nações e impérios se formam por sua complacência nas iniquidades das quais ele é objeto. Não há chefe de Estado nem conquistador que não o despreze: mas aceita este desprezo e vive dele."

CIORAN, Emil. História e Utopia. Rio de Janeiro. Rocco, 1994: 142 p.


0 comentários:

Postar um comentário