Gestão hídrica é tema global

sábado, 30 de abril de 2016
"Os pensamentos que podem ser verificados por nós são, por assim dizer, uma pequena região clara dentro do todo, que Martin Heidegger descreveu com uma metáfora famosa como 'a clareira'. Nós nos encontramos numa clareira no meio de uma floresta, ou melhor, no meio de uma selva enorme."  -  Markus Gabriel  - Por que o mundo não existe

A água e sua gestão é tema cada vez mais presente na mídia. E não apenas naquela que trata de temas ambientais, mas também na mídia voltada para temas de ciência e de economia. Estadistas, cientistas e empresários, percebem cada vez com maior clareza, que a preservação dos recursos hídricos é essencial para que a humanidade possa continuar vivendo decentemente sobre o planeta. A escassez do líquido coloca em risco a agricultura, as concentrações humanas e todas as atividades econômicas; podendo provocar revoluções, guerras, migrações e suas consequências para a humanidade: sofrimento, dor e morte.
Em artigo recentemente publicado no jornal O Globo, a jornalistas Ana Lucia Azevedo reata o drama de um dos maiores incêndio já ocorridos na Chapada Diamantina, na Bahia. O fogo teve início em final de 2015 e, alimentado pela seca do fenômeno climático El Niño, só foi debelado em janeiro de 2016. A região é conhecida como a Caixa D' Água da Bahia e é o nascedouro de 80% dos rios do estado, inclusive do rio Paraguaçu, que fornece 60% da água consumida em Salvador. Os incêndios, que se espalham por áreas de difícil acesso, destroem os ecossistemas que propiciam a abundância de água na região.
Ao mesmo tempo, o jornal de economia e finanças Valor publica um artigo assinado por José Graziano Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e ex-ministro do primeiro governo Lula, alertando para as influências do fenômeno El Niño sobre os padrões de precipitação pluviométrica e temperatura em várias partes do planeta, inclusive no Sul e Nordeste do Brasil. O texto alerta para a perigo de "fome, desnutrição, escassez ou contaminação de água"..."bem como perdas de colheitas acompanhadas de desertificação de terras agrícolas." em várias regiões do globo.
A revista Scientific American, em artigo assinado por John Wendle em sua edição de abril de 2016, faz uma relação entre a seca, os abusos governamentais e a violência social. Segundo a publicação científica, entre 2006 e 2007 o nível do lençol freático da Síria baixou dezenas ou até centenas de metros, dificultando aos agricultores o acesso à água. Assim, entre 2007 e 2010, a Síria sofreu "a seca mais devastadora de sua história". A falta de água ajudou a precipitar a crise econômica e social, afundando o país em uma guerra civil. Segundo a revista, o que ocorre na Síria é um prenúncio do que está em andamento em todo "o Oriente Médio em maior escala, o Mediterrâneo e outras partes do mundo." ..."O Crescente Fértil - o lugar onde a agricultura nasceu, há cerca de 12 mil anos - está secando. A seca na Síria destruiu plantações, matou animais e deslocou cerca de 1,5 milhão de fazendeiros."
A região Sudeste e, especialmente, o estado de São Paulo, ainda não se recuperaram completamente da crise hídrica de 2014-2015. Os reservatórios não atingiram seus volumes médios e a quantidade de chuvas deve diminuir nos próximos seis meses. Por isso, causou certa apreensão a informação de que a Sabesp pretende abolir o bônus e a multa na conta de água. Especialistas dizem que ainda não é hora de relaxar o controle, apesar do governador Alckmim ter declarado que "a questão da água está resolvida no estado". As mudanças das condições climáticas, associadas ao mal uso dos estoques de água, podem comprometer o futuro deste recurso.
(Imagens: pinturas de Cândido Portinari)

0 comentários:

Postar um comentário