Combustíveis e emissões de gases

sábado, 23 de julho de 2016
"A vida não é um bem, nem um mal: é ocasião para o bem e para o mal."  -  Lucílio  -  Pensamento estoico

O setor de transportes é um dos que mais contribui para a emissão de gases de efeito estufa (GEE) em todo o mundo, representando aproximadamente 20% do volume total das emissões. O mesmo ocorre no Brasil, onde grande parte dos transportes de produtos e mercadorias é feita através de caminhões. Na falta de um moderna infraestrutura de transportes de massa, parte significativa da população dos grandes centros urbanos brasileiros se utiliza do próprio automóvel, contribuindo mais ainda para o aumento das emissões de GEE.
Apesar da queda no consumo de combustíveis no Brasil entre 2014 e 2015 - 4,7% no caso do diesel e 7,3% no da gasolina - o aumento na queima dos combustíveis foi uma constante ao longo dos últimos 20 anos. A crise econômica deve refrear esta tendência ainda por mais um ou dois anos, mas logo que a economia mostrar uma pequena melhora e a produção e a distribuição voltarem a acelerar, a curva do uso de combustíveis voltará a subir. Por outro lado, apesar de ter reconquistado recentemente a autossuficiência volumétrica na produção do petróleo, o país ainda importa óleo diesel e outros derivados, dada a falta de capacidade para refino.

Do óleo diesel utilizado no Brasil, 75% do combustível é queimado pelo setor de transportes. Um volume considerável, que faz com que o país seja o segundo maior mercado mundial de consumo de diesel. A qualidade deste óleo combustível sempre foi bastante baixa, com altos índices de enxofre, o que aumentava a presença da fuligem resultante da queima do combustível. Desde 2013 o padrão do diesel melhorou bastante com o lançamento dos óleos tipo S-10 e S-50, propiciando considerável redução de enxofre. Outro aspecto na melhora da qualidade do diesel refere-se à sua composição; atualmente 7% de seu volume é constituído por biodiesel (óleo de origem vegetal). Este percentual deverá se elevar para 8% em 2017 e crescer 1% a cada ano até 2019, quando chegará aos 10% do volume do diesel.
A qualidade da gasolina brasileira, no que se refere à emissão de poluentes especialmente enxofre, era bastante baixa. A partir de janeiro de 2014, com nova formulação, a presença do enxofre na gasolina foi bastante reduzida, caindo de 800 ppm (partes por milhão) para 50 ppm. A adição de 25% de etanol anidro (álcool) à gasolina, faz com que 1/4 do combustível seja de origem renovável, não adicionando novas quantidades de GEE à atmosfera quando queimado. O programa brasileiro do etanol é único em todo o mundo (na quantidade em que é adicionada à gasolina), e é importante que o novo governo tenha na recuperação deste programa uma de sua principais metas de sua política energética.

A emissão de GEE pelo setor de transportes tem impacto direto sobre a saúde da população urbana, segundo diversos estudos já realizados. No entanto, entre 2003 e 2011 as emissões do setor de transportes aumentaram 17,8% na cidade de São Paulo, segundo dados da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. Em 2013 63,1% das emissões de GEE na cidade eram originadas pelo setor de transportes. Destas, 51% gerados por automóveis; 17% por veículos comerciais leves e caminhões; 13% por ônibus e 3% pelas motocicletas, entre outros. Por isso, é importante melhorar a eficiência dos motores, inclusive através de programas de controle de emissões, e melhorar a qualidade ambiental dos combustíveis.
(Imagens: fotografias de pontes)

0 comentários:

Postar um comentário