Louvado seja o meio ambiente

sábado, 4 de julho de 2015
"O Dasein morre de maneira fáctica ao longo da sua existência, mas antes de mais, e o mais frequentemente, sob o modo de decadência"  -  Martin Heidegger citado por Michel Haar em Heidegger e a essência do homem

25 de junho de 2015 será lembrado no futuro como importante data na luta dos ambientalistas de todo o mundo. Foi nesta data que o papa Francisco lançou sua encíclica Laudato si (Louvado seja). O documento representa um marco na questão da proteção ao meio ambiente e deverá exercer forte influência na maneira como este tema vem sendo tratado, principalmente nas nações com considerável parcela de católicos - caso da maior parte dos países na Europa, nas Américas e parte da África.
A encíclica Laudato si não é apenas mais uma instrução aos fiéis católicos, produzida pelo papa e sua equipe. Apesar de fazer referência às ações de grupos católicos e de pensadores de religiosos de várias tendências em relação ao meio ambiente, o documento elaborado pelo papa Francisco é fundamentado em dados atualizados das ciências que estudam a questão ecológica. Em nossos comentários, seguimos a resenha da encíclica feita pelo filósofo e teólogo Leonardo Boff, em texto publicado no caderno Aliás, no Estado de São Paulo de 21/6/2014.
A encíclica começa levantando os problemas ambientais e sua implicações nas sociedades humanas. A questão das mudanças do clima, da água, da biodiversidade, da erosão do solo e suas consequências; como a diminuição da qualidade da vida humana e a deterioração das relações sociais. Em seu texto, Francisco mantêm a forte orientação em favor dos humildes e dos abandonados da Terra, quando afirma que os grande prejudicados pela destruição do meio ambiente são os pobres. "Gemidos da irmã Terra se unem aos gemidos dos abandonados deste mundo", escreve. Também faz uma relação entre o crescimento desenfreado da economia, a procura constante de poder e a acumulação ilimitada à custa da injustiça ecológica e social, "um comportamento que parece suicida".
Em outra parte da encíclica o papa analisa o papel da tecnologia, a qual acolhe sem preconceitos (é preciso lembrar que o catolicismo aceita a teoria da evolução de Darwin). O que Francisco critica é o uso indiscriminado dos benefícios da ciência para explorar à exaustão os recursos da Terra, submetendo "a economia, a política e a natureza em vista da acumulação de bens materiais", como escreve Boff. O engano desta visão é acreditar que os problemas causados pelo uso abusivo da tecnologia podem ser resolvidos pelo uso de mais tecnologia. Mostrando um profundo conhecimento das novíssimas tendências da ciência, envolvendo o conceito de complexidade, Francisco escreve que esta atitude é enganosa porque "implica isolar as coisas que estão sempre conectadas". A limitada visão cartesiana da tecnocracia está em "fragmentar os saberes e perder o sentido de totalidade".

A encíclica é enfática ao afirmar que a economia e a política devem servir ao bem comum e propiciar condições para um vida mais digna e agradável. A exemplo do que em outras palavras também é afirmado pelo líder budista Dalai Lama, Francisco enfatiza a necessidade de um diálogo entre a moderna ciência e a religião, dizendo que todas as religiões "devem procurar o cuidado da natureza e a defesa dos pobres".
Semanalmente chegam novas notícias sobre a destruição de ecossistemas. Assim, a mensagem do papa representa um chamado para mudança de curso; conversão, segundo o cristianismo. Crentes ou descrentes, estamos todos na mesma Terra e podemos afirmar com Francisco que: "o mundo é mais que uma coisa a resolver, é um mistério grandioso para ser contemplado na alegria e no louvor."
(Imagens: gravuras de Gustave Doré)

1 comentários:

duda disse...


Olá, Parabéns pelo Blog!
Sou da empresa Gramas Com, visite nosso site e leia dicas sobre:

Grama Natural
Grama São Carlos
Como Plantar Grama
Grama Batatais
Grama preço m2
Venda de Gramas
Comprar Grama
Tipos de grama
Gramas
Grama Esmeralda
Entre outros. Grande abraço!

Postar um comentário